Desapegue-se!

Desapegue-se!
31.03.2014

Arquimedes Estrázulas Pires

Por que eu ainda não sei ser feliz?
Porque o espírito humano ainda não está habituado ao fato de que nem sempre é vitorioso sobre todas as coisas. Não somos infalíveis e nem temos o dom do conhecimento antecipado da verdade sobre os efeitos que causamos com as decisões que tomamos, com as atitudes que adotamos e com as coisas que fazemos.
O conhecer a si mesmo é que leva as pessoas a sentirem a brisa da liberdade em suas faces enquanto caminham pela existência. Quem se conhece, se desapega. Quem se apega fica prisioneiro de sentimentos menores, que escravizam, inspiram coisas impossíveis e trazem a infelicidade que nasce da insatisfação que vem do não ganhar sempre. Com muita propriedade e muita sabedoria os budistas dizem que “todo o apego gera um sofrimento”. E ninguém é capaz de ser feliz no sofrimento.
Outro fator importante, diretamente ligado à felicidade ou falta dela, é o mau hábito de jogar ao vento todos os pensamentos, os projetos de vida, os sentimentos e as decisões que tomamos. Jogar ao vento aqui tem o sentido de abrir ao conhecimento de todos, o que pensamos, pretendemos ou nos determinamos a praticar. Com o tempo e as experiências pessoais vamos compreendendo que há coisas que ficam melhor protegidas se ficarem guardadas em nosso coração.
É isto o que Platão quer dizer quando afirma que “os inteligentes aprendem com os próprios erros; os sábios aprendem com os erros dos outros”. Agradeço à Inteligência Criadora do Universo as experiências que têm me permitido compreender o pensamento do filósofo.
Ninguém abre o coração em troca de críticas negativas ou de aborrecimentos que daí resultem. Mas é certo que todos, indistintamente, abrimos o coração quando desejamos ser compreendidos por alguém especial ou pelos demais. O Espírito humano não se sente feliz apenas quando é solidário; também diante da solidariedade de outrem sente reconhecidos os seus esforços em ser e em agir melhor do que até aí; e isto pode ser motivo de felicidade.
Ser feliz é um estado de espírito e não se chega a ele por meio de fórmulas prontas. Ser feliz depende, fundamentalmente, da aceitação de si mesmo, da compreensão dos fatos que se sucedem diariamente durante a existência e da percepção clara de que todos estamos envolvidos pelas energias produzidas por toda a humanidade. Não estamos sozinhos no Universo e não estamos sozinhos aqui onde vivemos no momento.
De posse desse estado de consciência – e somente assim - é que podemos filtrar as energias que devemos ou não, acessar. E então – com liberdade – é possível usufruir de cada situação que a vida nos enseje e que vibre na mesma frequência dos nossos anseios e dos nossos sonhos. Porque há o velho conceito de que “só serei feliz se conseguir chegar lá”. E esse “chegar lá” nem sempre está relacionado à razão, mas a um padrão mental criado por condicionamento emocional, psicológico e até social.
A menina moça que cresceu ouvindo a mãe lhe dizer que “quando casar verá que todos os homens são iguais”, muito provavelmente só se sentirá “feliz” o dia que estiver divorciada.  O menino que cresceu ouvindo o pai dizer que “a vida é uma guerra”, certamente sentirá o desânimo todas as manhãs ao sair da cama para enfrentar a “batalha” do dia. E não será feliz!
Quem acredita mais nos outros do que em si mesmo haverá de ser sempre dependente de opiniões alheias pra desfrutar os melhores momentos que a vida é capaz de lhe proporcionar. E só será “feliz” se alguém lhe disser que é.
Em resumo de tudo, somos os artífices exclusivos da própria felicidade. Ninguém poderá construir em nós os sentimentos que são de nossa responsabilidade e, por consequência, só seremos felizes se e quando nos decidirmos a viver em função de coisas que nos satisfazem o Espírito.
Compor uma obra de arte, escrever um livro ou uma poesia singela, fazer um gesto de amor ao próximo, abraçar uma pessoa que por qualquer razão esteja infeliz, sorrir para quem está triste, dizer olá a quem está sozinho nos abandonos circunstanciais da vida, afagar um animal, se mexer no sentido de demonstrar que é feliz, nos dá satisfação e esta nos traz felicidade.
É mais uma das mil maneiras de compreender que “a cada um será dado segundo suas próprias obras”, como quer Jesus Cristo.
Não ganhar sempre não é a mesma coisa do que ser infeliz... sempre, mas, se desapegar de tudo e tratar as conquistas, as vitórias e as derrotas como circunstâncias normais à vida, pode ser um caminho para os momentos de felicidade.
***     ***      ***





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Atlântida – No Reino da Luz – Vol. 1.

LIVRO - A HISTÓRIA DE UM ANJO