sábado, 19 de setembro de 2009

Ser necessário


Ser Necessário
 
Arquimedes Estrázulas Pires

Seja como for a vida de cada um e esteja cada um onde estiver, é aconselhável que sempre procure começar cada dia com um “obrigado, Deus, por mais um dia; obrigado pela saúde e obrigado pela vida”!

             Quando começamos o dia agradecendo por todas as coisas que o Criador coloca à nossa disposição, temos grande chance de ter um dia com saúde, alegria, bom trabalho, amigos, paz e Luz. Mesmo que não agradeçamos Deus nos dá, porque Ele É absolutamente imparcial e justo; mas por que não agradecer?

          Há coisas que são para todos! Inclusive os incrédulos, inclusive os descrentes e inclusive os ingratos; e todos recebem, independentemente de culto, raça, etnia, cor ou nacionalidade.
Pra reavivar a razão é só prestar atenção no céu, nas estrelas, no sol, na chuva, no vento, no frescor da tarde e no farfalhar das folhas ao sopro da brisa suave que as agita e as incita a cochichar nos ouvidos da mata.

             Mas há coisas que são especialmente determinadas para esta ou aquela pessoa, este ou aquele país, este ou aquele continente; coisas que pela Lei de Causa e Efeito, ou Lei do Karma, ocorre por responsabilidade de pessoas, nações ou povos. E cada um é responsável por aquilo que planta, pelos frutos que produz e pelos efeitos disso sobre pessoas, seres e coisas.

          Se começarmos o dia tendo toda essa consciência como ferramenta para aperfeiçoá-lo, já podemos sentir desde muito cedo que produziremos energias e sentimentos positivos; o que nos torna, temporariamente, seres necessários; poucas coisas são mais importantes do que nos sentirmos necessários!

               Quando o contrário se dá, quando nos sentimos apenas eventuais e desnecessários, aquela típica sensação de inutilidade vai se achegando, o desânimo se instala, a tristeza também vai entrando de vagarinho, as defesas emocionais, mentais e do espírito se acomodam num canto qualquer e daí à enfermidade, à depressão, ao assédio de energias vulgares, inferiores, sombrias, oportunistas e trevosas, é apenas uma questão de tempo.

          Atraímos e somos atraídos por tudo o que se encontra na mesma faixa vibratória em que escolhemos estar. É essa afinidade energética que nos aproxima da Luz ou das trevas; que nos eleva ou nos faz sucumbir.

            Sabendo disso, o melhor papel que nos cabe é a oração e a vigília; se não para afastar os medos, as únicas coisas que devem ser temidas, para nos aproximar da faixa onde vibram a Luz, a Paz e Deus.

            Agradecer e perdoar: duas das melhores orações que há! Mesmo quando feitas silenciosamente, Deus as ouve!

               Quando dizemos que Deus ouve as nossas orações, queremos dizer, na verdade, que estamos harmonizados e em sintonia total com o Universo e com as energias cósmicas produzidas pela Fonte; Deus é a Fonte! E nós somos partículas desse Todo, dessa Consciência; dessa Luz!

           Estar vigilante e em oração não quer dizer, necessariamente, que tenhamos que permanecer ajoelhados, de mãos postas e recitando textos decorados. Muito mais do que isso, estar vigilante e em oração significa manter uma linha de comportamento e sentimentos que nos mantenha em sintonia com o Alto; isso, por si só, já é uma forma de oração.

             Fazendo isso estaremos auxiliando o mundo à nossa volta a ser cada vez melhor, estaremos elevando o nosso nível vibratório, melhorando a saúde física e espiritual, criando condições favoráveis à prosperidade material e dando exemplos que, certamente, influenciarão pessoas a nos imitar; um moto-contínuo que fará da Terra um mundo de Luz, Amor e Paz.

                Através de comportamento coletivo digno é que contribuiremos para a purificação da aura planetária, empastada de energias deletérias, cinzentas e pesadas. Através do despertar dessa consciência é que estaremos, efetiva e positivamente, colaborando com as Forças Cósmicas encarregadas de conduzir os destinos da humanidade terrena; há bilhões de anos elas fazem a parte que lhes cabe; precisamos fazer a nossa.

          Se pela Lei de Causa e Efeito somos responsabilizados por todos os plantios individuais que fazemos, evidentemente também o somos pelas sementes que coletivamente plantamos.

domingo, 13 de setembro de 2009

O começo de um novo trabalho


Está nascendo um trabalho novo que, por enquanto, está sendo chamando de "Um Cristianismo Incompreendido"; que a Espiritualidade Maior me permita seguir e concluir.

Arquimedes Estrázulas Pires

Espiritualista convicto, nascido em família humilde, formada por uma mescla de quase ateísmo e arremedos de crenças baseadas nas parcas informações existentes - à época - sobre catolicismo e espiritismo, após cerca de 40 anos de passeios instrutivos entre bancos de praça, pensões, repúblicas, bancos de escola, Umbanda e Kardecismo, ainda busco satisfazer a insaciável procura pela verdade, através do conhecimento que me esforço em adquirir a cada passo e a cada oportunidade onde me seja dado aprender qualquer coisa que me engrandeça e ilumine a estrada por onde tem sido desenrolada minha existência.
Nenhuma luz me fazia ver adiante, quando minhas reflexões passeavam sobre, por exemplo, alguns trechos do “Sermão da Montanha”, onde Jesus, o Médium do Cristo nos afirma que “os mansos herdarão a terra” [Mt. 5.5], até que por volta do primeiro décimo além do meu meio século desta passagem pelo mundo físico, surge a grande Luz na desembocadura do grande túnel do tempo e as ideias se abrem, o horizonte se aproxima e, com alegria, conheço o “Universalismo Crístico”, essa porta nova que, mantida aberta, permitirá livre acesso ao mundo do amor e da justiça de Deus a todos aqueles que optarem por viver conforme o ensinamento do Cristo e desejarem saber mais, a cada novo dia, sobre as Verdades do Criador e da Criatura. Porque é isso que o espírito em eterna evolução busca; incessantemente!
Quando o Mestre fala em “mansos”, não está, evidentemente, referindo-se aos que se anulam para satisfazer ordens ou desejos de terceiros, ou àqueles que - sem opinião própria - têm fugido do conhecimento que os iluminaria definitivamente; os “mansos” a que Se refere o Mestre, tem a ver com aqueles persistentes seres que, escalando obstáculos e vencendo dificuldades, encarnação após encarnação, ganham experiência, controlam emoções e ascendem para a Luz.
Esses são os herdeiros – por merecimento! - do Planeta Terra dos tempos da “Nova Era”, estes tempos chegados ao final de mais um ciclo evolutivo como tantos outros por que já passou o nosso globo azul que sempre se presta à missão de oferecer oportunidades àqueles que, tendo errado o caminho, reconhecem-se, localizam-se e recomeçam.
Porque Deus, A Fonte de tudo, jamais pune e jamais abandona; na aplicação da Justiça Divina sempre haverá uma oportunidade nova a todos aqueles que, distraída ou deliberadamente, perdem tempo à beira do caminho e chegam atrasados para a “chamada” dos “escolhidos.” [Mt 22:14]